segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Romero Lubambo - o violão que quebra e requebra

  1.   
Quem tem ouvidos atentos a de percebe a pegada de um violão, seja ele dentro de um acompanhamento bem elaborado ou solando a de se render aos encantos do violão deste grande músico e violinista Romero lubambo. Acordes bem escolhidos, levadas rítmicas bem suingadas, Romero Lubambo consegue criar a arte de reinventar situações e caminhos diferentes nos seus improvisos, com interpretações vibrantes, dono de um violão rico em levadas brasileiras consegue quebra e requebrar no sentido literário da palavra.
Sua performace no palco com o violão acompanhando cantoras nacionais e internacionais no calibre de Leny Andrade, Diane Reeves, entre outras. Seu violão consegue duelar e soma com a voz onde os dois se encontram em perfeita harmonia. Também soma em seu curriculo uma gama enorme de outros grandes artistas com que já gravou e teve junto: como Michael Brecker, Al Jarreau, Kathleen Battle, Herbie Mann, Ivan Lins, Flora Purim e Airto, Paquito D’Rivera, Harry Belafonte, Grover Washington Jr. e Cesar Camargo Mariano.

Atualmente Lubambo faz parte do grupo de jazz brasileiro Trio da Paz do qual também participa o baixista Nilson Matta e o baterista Duduka da Fonseca. O Trio da Paz é uma mistura de composições próprias e interpretações variadas que vai do jazz a mpb.
( Daniel Vacani )

Aqui vai uma interpretação desse violonista que só tem a somar com o nosso violão brasileiro.

    quarta-feira, 26 de outubro de 2011

    IDEIAS PARA SOLAR

    Ao contrário do que muitos pensam, solar exige muita técnica e um conhecimento profundo de escalas musicais, A maioria dos solos são compostos baseados em escalas musicais, fazendo as adaptações adequadas, por isso, nesta quero deixar a sua disposição as escalas mais conhecidas para lhe auxiliarem a melhor desenvolver um solo, e que além da guitarra é muito usado no violão e ainda pode ser feito no baixo, dependendo do modelo.
    Obs.: A escala é executada da seguinte forma: De baixo do braço para cima. Da sexta corda para primeira. Ou seja, faça todas as notas de uma corda de cada vez, assim: faça todas as notas da Sexta corda, depois da Quinta e assim por diante! No sentido de baixo para cima e volte pelo mesmo caminho !
    Obs.: Você não é obrigado a seguir rigorosamente a escala, pode também tocar somente as notas que lhe convém e até pular de uma corda para outra, conforme você achar melhor ! Existem técnicas que quando executadas nos dão uma similação de efeitos sonoros, que podem ser usados para dar mais brilho e vida na música, os mais conhecidos são:
    LICK quando se tira 2 ou mais notas de uma única palhetada.
    BEND quando se faz uma nota em uma casa e puxa uma nota um tom mais alto puxando a corda.
    BEND INVERSO quando se faz uma nota em uma casa com a corda já puxada, depois você deixará de esticá-la.
    TWO-HAND deixar o indicador pressionando uma casa e fazer um revezamento com o anular da mesma mão e o dedo médio da mão direita, esse método é usado na guitarra e no baixo. HARMÔNICO é executado nas 5a, 7a e 12a casas, encostando de leve o dedo na corda, nas casas já mencionadas.
    SOLO é executado tocando apenas uma corda de cada vez, como na guitarra.
    FEED BACK é um arranjo usado em guitarras, mas pode ser usado em alguns modelos de violão, segure a palheta de forma que quando você tocar o polegar direito toque de leve na corda para causar o efeito de grito!
    SLIDE é feito a nota em uma casa e puxamos uma outra nota na mesma corda em uma casa diferente arrastando o dedo para cima.
    SLIDE INVERSO é feito a nota em uma casa e puxamos uma outra nota na mesma corda em uma casa diferente arrastando o dedo para baixo.
    LIGADO é feito em uma das cordas tocando uma nota qualquer, depois você irá tirar duas ou mais notas alternando os dedos sem palhetar o instrumento.
    Um abraço.

    segunda-feira, 24 de outubro de 2011

    VIOLÔES DI GIORGIO


    DiGiorgio é uma empresa brasileira fabricante de instrumentos musicais fundada em 1908 pelo imigrante italiano Romeu Di Giorgio, em São Paulo.

    A fábrica, que começou como um atelier produzindo violões, chegou a produzir outros instrumentos de cordas, como viola, violinos e bandolins. Atualmente, a sua linha de produção de violões é a maior do Brasil, e está localizada na cidade de Franco da Rocha,São Paulo.

    História

    O Atelier de Violões Finos Romeu Di Giorgio foi fundado no ano de 1908 por Romeu Di Giorgio, nascido na Itália (em Roma) no ano de 1889, foi discípulo do luthier de violinos Sr. Fritelli com quem aprendeu os segredos da sonoridade. Com o passar do tempo o pequeno Atelier aos poucos se transformou numa pequena indústria de instrumentos musicais acústicos, tais como: violinos, bandolins, violas de gamba etc (instrumentos esses utilizados pelos imigrantes europeus daquela época). Por volta dos anos quarenta, já com a denominação de Indústria e Comércio de Instrumentos de Cordas Di Giorgio Ltda, a fábrica instala-se na Rua Voluntários da Pátria (no bairro de Santana - São Paulo) e nessa ocasião inicia-se uma tendência na fabricação de violões, pois este instrumento passa a fazer parte da cultura, especialmente nas serestas. Nos anos sessenta, com o advento da Bossa Nova e sob o comando de seu filho Reinaldo Di Giorgio, com a fase da ditadura, tornou-se difícil adquirir marcas importadas, e a Violões Di Giorgio se consagra como principal fornecedora de violões de alta classe para músicos e compositores que emergem naquele momento musical. Atualmente, a fábrica está instalada no Município de Franco da Rocha, no Estado de São Paulo, com uma edificação de 20.000 m² e um total de 200 funcionários. A Violões Di Giorgio agora sob a gestão de Reinaldo Di Giorgio JR, produz atualmente 6.000 violões por mês, consagrando-se desta forma como líder de mercado na fabricação de violões.

    sexta-feira, 7 de outubro de 2011