sábado, 26 de dezembro de 2009

O QUE É MUSICA?

Hoje vou Postar um assunto que talvez muitos se perguntam, o que é verdadeiramente música e o que não é? Essa discussão é antiga e talvez já esteja até fora de moda, mas ninguém ainda chegou a uma conclusão! Ou seja, a questão se esgotou sem ter chegado ao fim.
Alguns entram como gosto musical outra como preferência, mais uma coisa é certa é uma sucessão de sons distribuídos no tempo finito. Creio que essa seja a melhor definição para a indagação “o que é música?”. Porém, ao entrarmos em um assunto tão complexo, não podemos deixar de fazer outra pergunta muito pertinente e até filosófica: a música é uma criação humana ou natural? Se a resposta for humana, teremos que acrescentar um parêntese na afirmação citada acima: sucessão de sons distribuídos (e organizados) no tempo finito, pois sem a interferência humana, os sons da natureza são aleatórios e não seguem necessariamente um padrão. Mas compor é organizar? E a música desse século onde pegamos e formamos formulas matemáticas e damos algumas instruções do que pode ou não podemos fazer? Isso é música? E o músico de jazz, ao improvisar, faz música?


Antes mesmos dessa organização de escalas, campos harmônicos, arpejos teremos uma música eterna que emerge das profundezas da natureza e que podemos ouvir a qualquer instante, em qualquer lugar: A natureza está aí para nos ensinar! Não é harmônico o canto de um pássaro? Uma cachoeira, a chuva, um trovão, o vento, os sons dos animais, os sons que ecoam do planeta Terra. De onde um pássaro tira uma determinada melodia?
Ou construir mesmo sem a interferência humana, isso não seria música? Ai pegamos um acadêmico dirá que “sim, é necessário estudo formal para ser um grande compositor”, mas e os autodidatas, não podem ser bons compositores? Música é fórmula ou livre pensar? Claro que o estudo é super importante pra aperfeiçoar essa música interior que existe muitas das vezes em cada um de nos, mais digo isso não é tudo. Mais como pobres humanos nós apenas organizamos à nossa maneira, com toda a nossa arrogância e dizemos: compus uma sinfonia! Toco muito! fiz uma obra prima! Ora, o Universo não precisa de nenhuma sinfonia, ele é a sinfonia. Eterna, imutável, intangível! Deus com toda sua onipotência e onisciência criou essa maravilha de sons.Que muitas das vezes esquecemos de agradece e louvalo por isso.

Mais existe música pra tudo! A música humana é uma maravilhosa forma de expressão, de emoção, de terapia, de pacificação ou até de angústia, suspense, raiva e incitação felicidade, adoração etc.. A. Mas não é completa. Sempre que nos deparamos com o papel em branco para compor algo, percebemos que existem infinitas possibilidades e que vários opções e são infinitas por sinal. Cada um vai jogando e fazendo a forma que
acha melhor, mais a expiração ainda continua sendo algo mágico que nos faz aproximar dessa dimensão que a natureza. É aí que nos deparamos com a grandeza da natureza e percebemos que tudo está contido nela, só temos a opção de escolher entre tudo o que já existe. Criar? Digamos reduzir, fica mais honesto. A música está no Universo e o Universo é a música. Enfim como já dizia o saudoso maestro Arthur da Távola. "Música é vida interior, e quem tem vida interior jamais padecerá de solidão",


( Daniel Vacani)

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

O MILAGRE DOS DEDOS GUIAS



Olá pessoal hoje vou da uma dica pra tecladistas e pianista no geral. A dica se chama dedos guias! Sim dedos guias são super importantes na hora que você vai executar qualquer tipo de música. Eles são dedos (notas) que quando você faz a troca de um acorde para o outro essa nota permanece em comum com outro acorde que você troca ou faz a passagem.

Veja o exemplo abaixo:

C = do mi sol
F = do fa la Obs: nota em comum dó

C = do mi sol
G = si re sol Obs: nota em comum sol

C = do mi sol
Am = do mi Obs: nota em comum dó e mi

Am = do mi
F = do fa la Obs: nota em comum dó e

Am = do mi
Em = si mi sol Obs: nota em comum mi

C = do mi sol
Em = si mi sol Obs: nota em comum mi e sol

Dm = re fa la
F = do fa la

Dm = re fa la
G = re sol si

Os exemplos acima estão na seqüência de C mais podem ser transpostos para outros tons. Pode-te certeza pra onde você esta indo sempre vai ter um dedo guia pra você tocar. Uma boa sorte e até lá.

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

ANATOMIA DO VIOLÃO


   
         
                           PARTES DO VIOLÃO

Saber o nome das partes do violão não vai fazer você tocar ele, mas ajuda muito tirar um bom som do instrumento. Justamente para poder afinar, trocar cordas e trabalhar sonoridades entre outras coisas.
Então temos que levar a sério e conhecer suas partes e funções especificas.
O violão tem três partes principais: Mão, Braço e corpo. As outras partes são extensões dessas três.
                                            
                                             MÃO

Tarrachas: Dentro da mão você tem as tarrachas que são pequenas peças mecânicas, que prendem as cordas e as apertam afinando ou desafinando.
                              
              BRAÇO
 Pestana: Onde passa as cordas do violão.

Trastes: são pequenas peças metálicas semelhantes a trilhos, que são presos na escala do braço ou seja, são os ferrinhos. A função deles é fazer a divisão do braço, criar espaços que chamados de casas.
Casas = É aonde você vai colocar o dedo para tirar o som das notas. 
                             
                                 CORPO

Boca: É o buraco em forma de circulo onde você toca com a mão direita para tirar o som do instrumento.
Ao tocar as cordas, elas vibram produzindo um som que passa pelo corpo do violão produzindo um volume maior.
O corpo do violão, também pode ser chamado de bojo, e é composto de: tampo laterais e fundo. Num violão de boa qualidade, estas partes são feitas em madeira maciça.

Cavalete: Temos então a ponte ou cavalete que segura o rastilho e é colada ao tampo do violão. O rastilho, assim como a pestana, pode ser feito de plástico ou osso. Como estas partes do violão têm contato com as cordas, há diferença de qualidade sonora entre peças de osso ou plástico. Muitos preferem peças de osso, para obter um timbre melhor. Porém, a ouvidos destreinados, a diferença é quase imperceptível.

Bom pessoal seria basicamente isso, procurem entende o instrumento que você esta tocando e boa sorte!